domingo, 2 de outubro de 2011

O dilema de Penny Lane


Foto: globoesporte.com
Uma história sem bandido e sem mocinho. Dois cowboys lutando por uma donzela indecisa. Aliás, Penny Lane já esteve nas mãos de ambos os cavalheiros, mas não sabe ainda o que quer. Hoje, diverte-se com as juras de amor de Vasco da Gama, mas, há pouco tempo, se engraçou com Corinthians, por quem ainda tem uma “quedinha”.

“São Januário é pequeno demais para nós dois”.

De costas um para o outro, deram três passos em sentidos contrários, viraram e atiraram. Quatro tiros certeiros.

O xerife cruzmaltino Dedé deu o primeiro disparo. Júlio César apenas viu a luz irradiando da pistola e, em seguida, sua nação ferida no peito. Do alto da colina, os vascaínos comemoravam fervorosamente. Não durou muito.

Mesmo caído no chão, o Corinthians teve destreza para acertar o rival. Foi um movimento rápido: girou o revólver e bang! Alex, uma bala dourada que cortou o vento. Vasco estava também ferido. O fervor da torcida transformou-se em silêncio.

Naquele momento, Penny Lane não sabia com quem ficar. Pelo andamento do duelo, entendia-se que ainda preferia Vasco da Gama, mas não é prudente confiar em uma donzela tão confusa. Vale lembrar que a cada ano a moça põe-se à disposição de 20 cowboys e beija aquele que se mostrar mais valente.

Como nos maiores clichês de filmes de faroeste, o vento soprava uma bola de feno enquanto os duelistas se encaravam friamente. O cheiro de pólvora e as manchas vermelhas pelo chão completavam o cenário.

Pensando nos lábios de Penny Lane, Vasco reuniu forças para um segundo disparo. O cano da pistola ainda estava quente. Foi numa desatenção corintiana, num piscar de olhos. O estouro provocado por Fágner veio seguido de gritos e aplausos. É humilhante para um cowboy perder um duelo em seu próprio vilarejo. São Januário inteiro estava ao seu lado. E ele estava à frente do rival mais uma vez.

O roteiro estaria completo se Corinthians agonizasse e murmurasse uma frase de impacto, como últimas palavras antes da morte. Mas não se trata de um filme. O apertar do gatilho, de forma lenta, porém perfeita, só mostrou a habilidade do pistoleiro Danilo. Bang! Estavam os dois em pé de igualdade.

Penny Lane interrompeu o duelo. Não havia tempo para mais sangue. A donzela carregou o ferido Vasco para o Saloon. Sentiu pena de seu affair. Mas enquanto puxava o “amado” para um lugar mais seguro, flertou com Corinthians. Uma piscada, coisa singela. Apenas para manter a esperança de um cowboy tão bravo. Por enquanto, o ósculo não tem dono. Mas ainda há tempo para conquistar a moça.

2 comentários:

  1. Nada disso importa. No fim das contas, vence sempre quem tem a pistola maior.

    ResponderExcluir